Salões de beleza: Mitos e verdades sobre doenças capilares

03 de Setembro de 2013

Muitas pessoas não se dão conta do perigo que podem encontrar ao freqüentar salões de beleza. A chance de contrair doenças é grande, caso não sejam observados cuidados relacionados à higiene.

De acordo com a Terapeuta Capilar Sandra de Assis Maia, da clínica Alto Stima, o número de doenças causadas pelo uso compartilhado de objetos vêem crescendo a cada dia.

“As pessoas estão sempre com horários corridos no seu dia a dia, e isso impede que elas percebam que ao usar objetos compartilhados nos salões de beleza podem estar adquirindo algumas doenças, principalmente quando falamos em objetos cortantes. A pessoa pode ser infectada por fungos, bactérias e até mesmo vírus ao cuidar dos cabelos no salão”, afirma a terapeuta.

Vamos há alguns mitos e verdades sobre o uso compartilhado de objetos nos salões de beleza.

Escova de cabelo pode transmitir doenças?

Verdade. O compartilhamento desse objeto contaminado pode levar a uma infecção fúngica (micose), conhecida como pitiríase versicolor, ou disseminar piolhos, por exemplo.

Retirar os fios de cabelos da escova é o bastante para que ela fique limpa?

Mito. É recomendado que a limpeza seja feita por meio da lavagem com água e detergente, tanto nas escovas quanto nos pentes.

Água sanitária também pode ser usada na hora de higienizar escovas e pentes?

Verdade. O uso de água sanitária também é indicado para retirar todas as impurezas dos objetos.

Escovas de metais não precisam ser higienizadas?

Mito. Qualquer tipo de escova, seja ela metálica, porcelana, plástica e almofadada, deve ser higienizada corretamente, principalmente quando se fala em uso compartilhado.

Tesouras e lâminas de barbear podem transmitir hepatite?

Verdade. O risco de transmissão da hepatite através de instrumentos compartilhados, tais como lâminas de barbear e tesouras, pode transmitir a doença.

Pode se pegar piolhos somente se pentear os cabelos com pentes e escovas que não foram esterilizados?

Mito. Estes parasitas são dificilmente visíveis e são transmitidos facilmente de pessoa para pessoa através do contato corpóreo e do compartilhamento de vestimentas (capas utilizadas na hora de cortar o cabelo) e objetos como: pentes, escovas e toucas. A infestação por piolhos causa coceira intensa e pode afetar qualquer área da pele, em especial o couro cabeludo.

Usar o mesmo lavabo sem higienizar pode transmitir alguma doença capilar?

Mito. Doenças capilares só se pega quando há contato direto com o couro cabeludo. No caso do lavabo, a pessoa está mais propícia a ter uma doença de pele. Algumas pessoas vão de bermudas, o contato da pele com cadeiras e lavabos podem ocasionar doenças de pele, e não capilares.

Dermatite Seborreica pode ser contraída por meio de escovas de cabelos?

Verdade. A dermatite seborreica pode ser contraída por meio de pentes e escovas. A doença é uma inflamação crônica da pele. Ela ataca o couro cabeludo sob a forma de lesões avermelhadas que descamam e coçam. Para tratar a doença existem medicamentos específicos para a pele e o couro cabeludo capazes de controlar os sintomas.

A Anvisa liberou o uso do formol nas escovas progressivas feitas nos salões?

Mito. A quantidade permitida pela Anvisa é de 0,2%, com a função de conservante.

Escova progressiva pode causar câncer?

Verdade. A inalação pode causar câncer no aparelho respiratório, dor de garganta, irritação do nariz, tosse, diminuição da frequência respiratória, irritação e sensibilização do trato respiratório. Pode ainda causar graves ferimentos nas vias respiratórias, levando ao edema pulmonar e pneumonia. O contato com a pele (couro cabeludo) causa irritação, dor e queimaduras.

As maquinas de cortar cabelo tem algum risco de se contrair o vírus do HIV?

Os objetos cortantes ou perfurantes contaminados com sangue fresco visível podem ser um risco se cortarem ou perfurarem a pele - ou seja, se a máquina foi utilizada num soropositivo e fez um corte ficando contaminada com sangue e logo a seguir for utilizada noutra pessoa e também fizer um corte acidental, existe um risco de exposição ao HIV nesta pessoa. Claro que o risco não será tão elevado como partilhar uma seringa - esta entra diretamente na veia, portanto a probabilidade de transmitir infecção é maior. Uma máquina de barbear ou cortar cabelo faz apenas uma ferida superficial na pele, o risco é menor, mas existe.

A Terapeuta ressalta: “Conheço salões com profissionais que entendem a importância dos cuidados com a higiene. Goiânia é privilegiada por ter profissionais que buscam o conhecimento e possuem ética profissional”.

Sobre a Clínica Capilar Alto Stima 

sandra-maiaFundada pela terapeuta capilar Sandra de Assis Maia, graduada pela Faculdade Unida de Vitória (2011), Pós Graduação em Tricologia e em Terapia Ortomolecular, Holística e sócia-diretora da Clínica Capilar Alto Stima. A Clínica conta com uma equipe de diversos profissionais treinados para realizar os trabalhos. O espaço oferece tratamento capilar para todos os tipos de cabelos ressaltando alguns serviços como: diagnóstico, avaliação com aparelho de tricoscopia, terapia ortomolecular e tricologia. A Clínica também possui serviços complementares de salão. Site: http://altostima.comhttp://altostima.com

Autora: Dr. Sandra Maia